quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Cruzmaltinos desse planeta,

time grande é time grande, time pequeno é time pequeno. O Atlético Goianiense fez uma promoção pra tentar evitar a invasão vascaína no Brinco de Ouro. Afinal, o Vasco é um time nacional. Tem torcida em todos os cantos desse país. Poucos foram os jogos que nossa torcida não foi maioria esmagadora no estádio adversário. Tanto que estamos pensando em mandar jogo nosso mais de 4000 quilômetros longe de casa. E teremos torcida. Portanto, podem vestir até o juiz de mulambo, que como diz o nosso hino:

Quando o Vasco em qualquer desafio
Lança em campo o seu grito de guerra
Invencível, nervoso arrepio
Faz tremer o rival e a terra!

.


Porquê os vascaínos têm esse gosto pelas emoções fortes? Deve ser a herança de Portugal. O fato da final da Mercosul ser considerado o jogo da vida da maioria dos vascaínos que conheço não é mero acaso. É o jogo mais marcante porque foi o jogo mais sofrido. Quando faço essa pergunta, poucos se lembram do baile sobre o Flamengo na semi-final de 97(foto), por exemplo. Não! Golear nosso maior rival não tem tanta graça quanto quase infartar pra bater o Palmeiras numa competição quase sem importância.
Num cenário muito pessimista, se a contusão de Carlos Alberto demorar um pouco mais para se curar, podemos ter que assistir um meio-campo com Amaral, Nilton, Mateus e Enrico. Nossas esperanças de boas jogadas estarão todas nos pés do cara que joga com as pernas amarradas, já que Jéferson deve demorar um pouco ainda pra voltar.
Não queria emoção? Então toma!

.

Alan Kardec realmente foi negociado com o Inter. Gosto do atacante, acho que pode vir a ser um grande jogador, mas suas últimas atuações realmente não vão deixar saudades...


2 comentários:

thiroux disse...

Apesar de tudo, continuo achando que subiremos sem maiores sustos. (Mas esse jogo de sábado vai ser beeem complicado).

obs: Tenho o mesmo sentimento pelo AK. Acho que o garoto ainda pode estourar, mas pelo o que vinha fazendo, não vai dar pra sentir falta dele.

Saudaçoes.

Jota disse...

Gosto dos jogos que acabam com o coração... Me lembro com saudades da vitória do Vasco no Estadual de 1988, com gol do Cocada aos 44 minutos do segundo tempo... Depois flamenguista quer falar do gol do Petkovic, em 2001: o Cocada não era ninguém (nem antes e nem depois), já o Pet, estrelão, tinha obrigação de resolver o jogo...