sexta-feira, 10 de setembro de 2010

O maior clube do Mundo


Nelson Rodrigues, certa vez, disse que “o Fluminense não recusou as sandálias da humildade. Sendo um grande clube, o maior do mundo - tem direito de ser humilde. Portanto, passamos a andar, com um imaginário passarinho no ombro, segundo o figurino franciscano”. Mas talvez ai esteja nosso maior equívoco. De tão humildes passamos a ser humilhados em praça pública. Pela imprensa, pelos rivais, pelas arbitragens e pelos homens que comandam o futebol nesse país. Chegou a hora do Fluminense, “o maior clube do mundo” recusar as sandálias da humildade.
As provações pelas quais passamos são comparáveis às dos grandes mártires. Os três rebaixamentos consecutivos feriram nosso orgulho. As derrotas inesperadas nas decisões da Copa do Brasil em 2005, na Libertadores em 2008 e na Sul Americana, em 2009, também nos feriram a alma. Fomos sempre a chacota dos jornais, dos adversários.

Para lembrar aqui as vezes que fomos prejudicados pela arbitragem, seriam precisos uns três dias. Recordo-me de uma centena de jogos que tivemos nosso triunfo ceifado pelos homens de apito. Quem não se recorda da final da Copa do Brasil de 1992, quando José Aparecido de Oliveira tirou do Fluminense um título que já estava com lugar garantido na sala de troféus das Laranjeiras. Expulsou o lateral Zé Teodoro aos 40 do segundo tempo e dois minutos depois marcou um pênalti inexistente em Célio Silva, que fez o gol da vitória do Internacional, em Porto Alegre. E a decisão da Libertadores, na qual Héctor Baldassi ignorou a catimba do goleiro Cevallos, o pênalti em Washington, anulou jogada de Cícero que acabaria em gol, e mandou Thiago Neves repetir uma cobrança de pênalti de forma inexplicável? Se lembram?

Agora querem tirar do melhor time do Brasil o título Nacional. Primeiro fecharam a porta da nossa própria casa, o Maracanã. Depois, insinuaram que estamos sendo beneficiados pela arbitragem, numa clara tentativa de induzir os homens de apito contra o Fluminense nos próximos jogos. E por fim, transformam um problema entre Fred e o departamento médico em “crise”. Que crise? Em crise deve estar o Flamengo, à beira da Série B. Em crise deve estar o Atlético Mineiro, que não ganha de ninguém. Uma equipe que lidera o campeonato em tudo, não pode estar em crise.

Deixem o Fluminense em paz. Somos grandes, temos uma torcida maravilhosa e numerosa, que não abandona o time nunca. Uma torcida que, como diria Nelson Rodrigues, se o time fosse jogar no céu, morreria para vê-lo jogar. Então não me venham com essa de crise, de manipulação de resultados e manobras políticas para nos tirarem o título. Chega de calçar as sandálias da humildade. Chegou a hora de sairmos às ruas, vestirmos a camisa, lotarmos os estádios e mostrarmos que esse é o Fluminense, o maior clube do Mundo.

3 comentários:

Cristina disse...

Sábias palavras!!!
O Fluminense é bem maior do que tudo que pretendem fazer para nos desestabilizar!!!
Avante meu time querido! Minha paixão!!!
Meu Fluminense, amo você!

Deise disse...

Muito bom o texto. Vamos pra cima Fluzão! Quero gritar CAMPEÃO!

Rita Barroso disse...

Excelente texto. E quando se trata de Fluminense, concordo com você, "não é preciso calçar sandálias da humildade"; e com Nélson Rodrigues no artigo de 1969 "Chega de Humildade": "Amigos, a humildade acaba aqui." Em se tratando de Fluminense, somos sim sem prepotência, superiores, melhores e maiores.

Rita Barroso