domingo, 29 de maio de 2011

A elitização da torcida.


Caros Amigos Cruzmaltinos,

nessa semana visualizamos o descaso da diretoria vascaína para com os seus torcedores. A venda de 50% dos bilhetes foi destinada na sexta feira aos sócios do clube. Até aí, nada demais. O sócio contribui com o clube, tem mesmo que receber alguns privilégios. Mas o que aconteceu na madrugada de sexta para sábado foi o mais puro descaso com o torcedor comum. Com o torcedor que apóia nos momentos de tristeza. Com o torcedor que esteve em São Januário nos momentos difíceis. Que esteve na Série B, debaixo de chuva, no frio, no calor de 40 graus, mas nunca deixou de acompanhar o Gigante time do amor. Mas mesmo os Gigantes tem seus pontos fracos. E o do Vasco é o mesmo do Gigante Adamastor, retratado em Os Lusíadas: O amor não correspondido. Amor entre os torcedores que nunca o abandonaram o clube nos momentos de tormenta e o desamor do clube que os abandona nos momentos de calmaria.

Na madrugada de sexta para sábado, mesmo com uma fila enorme se formando em torno de São Januário, a diretoria preferiu fazer a venda dos ingressos pela internet. Resultado: Começo das vendas 00:00h, ingressos esgotados 1:40h. Mesmo assim, a fila continuava se formando. Todos esperando as bilheterias abrirem no começo da manhã. Cerca de 5 mil torcedores na chuva e no frio, esperando a chance de finalmente ver seu time sair do buraco em que se encontra. Fazer parte da festa do primeiro jogo de uma decisão. A espera foi em vão... às 10:30 da manhã o Batalhão de Choque da Policia Militar foi avisar que os ingressos haviam acabado na madrugada. Isso mesmo, quem avisou foi a polícia. Nem coragem de se manifestar a diretoria cruzmaltina teve. Lamentável o episódio, chegando a ser ridículo. O torcedor que não tem um cartão visa não tem direito de participar da festa. O torcedor que sempre junta seus tostões pra sempre apoiar o time, que sempre rói o osso, dessa vez terá que ficar de fora enquanto os torcedores de sofá estarão lá saboreando o filé.

Simplesmente patético!

8 comentários:

Renato Saldanha disse...

É, Cocada! Apesar da rivalidade, é impossível para um tricolor não se soldarizar. Nós tb passamos por isso, na final da libertadores, e na última rodada do ano passado... No caso do tricolor, diziam que a culpa era da empresa responsável pelos ingressos, mas eram inúmeras as denúncias de desvio de ingressos que envolviam funcionários desta empresa, policiais, funcionários do Botafogo (no caso do jogo contra o Guarani, ano passado) e até dirigentes do Flu. Lamentável!

El Rafo Saldaña disse...

Cocada, assim como o Expresso da Vitória e o Trem-bala da Colina, a Marcha do Progresso não poupa ninguém, atropelando quem não estiver preparado. Por muitos anos os torcedores de todos os clubes reclamaram da dificuldade em se comprar ingressos. A solução seria a venda de ingressos pela Internet, que acabaria com as filas, tornaria o processo todo menos penoso, inclusive para aqueles que não estão nas proximidades do Estádio nos dias que antecedem o jogo. Quando finalmente é implementado, o progresso causa desconforto naqueles acostumados com o sistema antigo, mas é sempre assim.
Eu fui uma das vítimas: Cheguei a habilitar meu cartão Visa pra comprar o ingresso, mas por comodidade preferi pagar uma excursão que ficou sem ingressos. Acontece.
Recomendo fortemente que quem ficou sem ingresso resista à tentação de beber o dinheiro todo na festa e se associe ao Vasco. Não vai impedir os problemas, mas já é um começo...

Renato Saldanha disse...

A princípio, eu não sou contra a venda pela internet. Mas, nesse caso, está claro que faltou informação.
Outra coisa, enquanto eu morava em Porto Alegre, o inter disputou duas finais da Libertadores e o Grêmio uma, fora outros jogos importantes. E eu nunca vi por lá confusoes por ingresso. Lá, pra conseguir ingresso, vc tem que ser sócio-torcedor. Torcedor avulso só tem ingresso se sobrar, depois de todos os sócios comprarem. Em jogos decisivos nunca sobra. Pior, no caso do Inter (que tem cerca de 100 mil sócios e apenas 45 mil lugares no beira-rio) ser sócio não garante o ingresso. Tem fila de espera entre os sócios (a prioridade é pros sócios mais antigos). Tudo isso é organizado pela internet, e vc pode pagar os ingressos no fim do mês, junto com a mensalidade (e pode ser por boleto bancário, e não apenas por um cartão de crédito).

Cocada disse...

No caso de se ter um sistema já conhecido dessa forma, tudo bem. Não é o caso do Vasco. Eles deveriam ter vendido parte na net e parte pra que passou a madrugada na rua. Mais que justo. A burrice foi testar a venda na internet num jogo de final..

Daniel Reche disse...

A venda de ingressos pela internet é a forma obviamente mais simples.
Faltou informação no caso de Vasco x Coritiba - óbvio também.
Sócio Torecedor também é muito legal.
Vocês já falaram, com maestria, tudo sobre tais temas.
Contudo, uma questão merece destaque: o Vasco vendeu os ingressos a um preço muito baixo. Não sei qual foi o valor cobrado, mas, se foram arrematadas todas as entradas em uma hora e quarenta minutos, fica nítido que se o preço fosse cinquenta reais mais caro, ainda assim haveria demanda. Péssima gestão da diretoria vascaína neste ponto.

Daniel Reche disse...

A venda de ingressos pela internet é a forma obviamente mais simples.
Faltou informação no caso de Vasco x Coritiba - óbvio também.
Sócio Torecedor também é muito legal.
Vocês já falaram, com maestria, tudo sobre tais temas.
Contudo, uma questão merece destaque: o Vasco vendeu os ingressos a um preço muito baixo. Não sei qual foi o valor cobrado, mas, se foram arrematadas todas as entradas em uma hora e quarenta minutos, fica nítido que se o preço fosse cinquenta reais mais caro, ainda assim haveria demanda. Péssima gestão da diretoria vascaína neste ponto.

El Rafo Saldaña disse...

Discordo, Daniel. A diretoria não tem nada que torcer a faca no couro de seus torcedores. Ingressos a 100 reais seria um absurdo inimaginável, uma traição contra a torcida que vem lotando todos os jogos, não só a final.
Quanto à venda pela internet, ela não era um teste, Cocada. Ela já acontecia desde o final do ano passado. Na quinta-feira, sem precisar de nenhum canal especial, eu já sabia que havia essa possibilidade de compra.
Assim, se a diretoria cometeu algum pecado, foi de abrir as vendas pela internet horas antes das bilheterias. Fora isso, perfeito, e só mostra como a reforma de Sanjanu é urgente.

Daniel Reche disse...

Não estou discutindo se a entrada vai custar 50, 80, 120 ou 500 reais. Não sou gestor de clube de futebol e, portanto, não tenho em minhas mãos um estudo mostrando qual seria o ponto ideal da curva preço x demanda dos ingressos da CB.
Só me parece óbvio que, se os ingressos acabaram em uma hora e quarenta minutos, havia espaço de sobra cobrar um preço mais alto.
Não ter tomado tal atitude só mostra que os clubes não estão prpeparados para tranformar em receita a paixão dos torcedores.
Todo mundo reclama que o Vasco não contrata o Messi, mas, se o ingresso de um jogo em São Januario custar mais de 10 reais (5, com uma carteira de estudantemarota), há gritaria generalizada.
E nem adianta aquela discussão em que cada um grita o preço que seria justo para o ingresso. Entendo que não há um "preço justo", mas, tão somente, valor a ser fixado pela lei da oferta e da procura. Se há 200.000 pessoas dispostas a pagar 50 reais, significa que haveria, num chute, 180.00 dispostas a desembolsar 60, 150.000 a 70 and so on. Só que cabem apenas 30.00 espectadores no estadio, fato que me leva a crer que o prelo ideal na equação seria... X reais acima do praticado pela diretoria vascaína.
É engraçado notar que os comentaristas de TV que chiam contra aumentos no preço do ingresso não cobram que suas emissoras tenham uma política para permitir que o Bar da Esquina anuncie na hora do Jornal Nacional.
Mais um exemplo de péssima admibistração dos nossos clubes.