terça-feira, 6 de dezembro de 2011

"Vice? E daí?" - o retorno

Caros amigos,

Passado o calor do campeonato, é hora de refletirmos mais sobre a pergunta-título: Qual a real importância dessa “conquista” do Vasco? Será que o vice-campeonato é motivo suficiente para todo esse ufanismo? Ou ainda, será que podemos dizer que o “Gigante da Colina” voltou?

Bem, consultando a história, vemos que o Bangu, em 85, e o América-RJ, em 86, também tiveram ótimas campanhas, mas não se reergueram. Aliás, Bragantino, Criciúma, Brasiliense, Santo André, São Caetano, Juventude... todos esses pequenos já viveram suas temporadas douradas, e depois voltaram a sua insignificância. Mas não podemos comparar a camisa destes times com aquela que tem o cinto de segurança. Então, melhor analisar a trajetória recente de alguns clubes grandes.

Na primeira metade da década de 90 o Botafogo parecia renascer. Após 21 anos sem títulos, um bicampeonato carioca, um vice no Brasileiro de 92 e, finalmente, o título de 95. Parecia que os anos 60 haviam voltado. Passados 16 anos, percebemos que aquilo não era o renascimento, e sim o último suspiro do moribundo. A conquista de Túlio, Wagner e Cia era, na verdade, o canto do cisne do clube de General Severiano. De lá pra cá, apesar de ter ganhado um estádio da prefeitura, e ter melhorado consideravelmente sua administração (principalmente a partir da gestão Bebeto de Freitas), o clube da estrela solitária vem acumulando fracassos e decepções.

Com o Palmeiras o caso também é grave. O time paulista, assim que voltou a séria A, conseguiu um 4º lugar no Brasileirão de 2004, um 3º em 2005, e outro 4º lugar em 2008. Mas nem essas três boas temporadas, nem o título paulista de 2008, nem as 3 participações na Libertadores (2005, 2006, 2009), foram capazes de tirar o Palestra Itália da série B psicológica em que ainda vive.

O Grêmio é uma incógnita. Rebaixado em 2004, voltou de forma épica no ano seguinte, e foi 3º lugar no Brasileiro de 2006, 2º em 2008, e 4º em 2010. Além disso, foi finalista da Libertadores em 2007, e semifinalista em 2009. Apesar de todas essas boas campanhas, a ausência de títulos importantes (já são 10 anos desde o último título da Copa do Brasil) já incomoda, colocando dúvidas sobre a recuperação gaúcha.

É claro que também há alguns casos de sucesso. O Santos andou por muito tempo adormecido, mas renasceu nos últimos 10 anos, com Robinho e Neymar. O Inter também capengou pela década de 90 e princípios da última década, mas conheceu a redenção nos últimos 6 anos.

O Fluminense é outro caso de sucesso. Após conhecer o fundo do poço na década de 90, o Flu também teve boas campanhas no seu retorno (3º na primeira fase de 2000, 3º no Brasileiro de 2001; e 4º no Brasileiro de 2002). Porém foi a partir de 2007 (com o título da Copa do Brasil, o vice na Libertadores e na sul-americana, e o título de campeão brasileiro de 2010) que o clube consolidou sua volta ao topo. O 3º lugar no brasileiro deste ano é, sem dúvida, mais uma prova da solidez desse processo.

Sendo assim, é óbvio que o Vasco está de parabéns pelo título da Copa do Brasil e pelo vice no Brasileirão. Mas se isso é o bastante para devolver grandeza ao clube, só o tempo dirá. Não é uma temporada que fará o clube reviver seus melhores dias. O Vasco ainda precisa provar, nos próximos anos, que 2011 não foi apenas um golpe de sorte, e que realmente vive um ressurgimento sustentável e duradouro. Para isso, será preciso renovar-se (o time atual depende muito de dois jogadores já sem fôlego, e de outro, que nunca fez duas boas temporadas seguidas). Até porque, não podemos esquecer, nessa temporada o clube também terminou em 6º no carioca, fazendo o pior começo de ano de sua história.

Portanto, amigos portugueses, não há motivo pra tanta empáfia e euforia. Menos, bem menos.

ST

6 comentários:

JTVascao disse...

Meu Deus!! O cara fez um post de 51 linhas, 4678 caracteres, 758 palavras, só pra falar do Vasco. Não sabia que incomodávamos tanto assim. Mas pensando bem, tô ficando preocupado com essa overdose de Vasco nos textos da galera da 3ª divisão: rival do FluminenC pra mim é o Bangu, o Madureira, quiçá o Bahia.
É, deve ser inveja mesmo.

Marcelo Braga disse...

Perfeita sua análise, Renato!

Pena que é uma tarefa dificílima aos lusitanos conseguirem entender o teor do seu excelente post.

É bem mais fácil contar os caracteres.

ST

Renato Saldanha disse...

JTVice,
1 - Isso aqui nao é o Twitter. Vai contar caracteres lá em Portugal.
2 - Vc sabe ler? No post eu também falo do Botafogo, do Palmeiras, do Grêmio, do Santos, do Inter e do Fluminense.
3 - Deixe de ser mal-criado e anota o conselho do papai aqui: Menos, bem menos.

El Rafo Saldaña disse...

Comparar o Vasco com esses times pequenos (Bangu, Botafogo, Fluminense, Grêmio) é uma falácia sem tamanho. Não se confunda: um gigante agachado é bem diferente de um anão na ponta do pé.

Marcelo Braga disse...

Um gigante agachado é o Gulliver com dor de barriga.

El Rafo Saldaña disse...

Bem bolado, dá cem reais pra ele!